Chacal e as figurações da intertextualidade: heranças oswaldianas na década de 70

Idemburgo Pereira Frazão, Patrice Moraes Paes Leme

Resumo


O objetivo desse estudo é refletir sobre a relação entre marginalidade e cultura. O foco é ressaltar que o significado de marginal vai além do descumprimento às leis. Ou seja, tudo aquilo que está fora do centro de um determinado sistema, que está às margens, possui caráter de marginal. Há dois acontecimentos que exemplificam essa relação: a geração mimeógrafo da década de 70 e o surgimento de novas tendências contemporâneas a partir dos avanços tecnológicos, com foco em uma literatura marginal, que tem servido de base para estudos da atual formação cultural brasileira. Os estudos em relação à marginalidade tem inclusive alimentado novas teorias a respeito da tese da dialética da malandragem elaborada pelo crítico Antônio Cândido. Essa hipótese, que tem sido conhecida como dialética da marginalidade – nomeada pelo crítico João César de Castro Rocha, surge para dialogar com a primeira a respeito da imagem do brasileiro perante as adversidades. Valorizar essa cultura marginal é apenas o começo para a consolidação das inúmeras identidades que formam o panorama cultural do Brasil.


Palavras-chave


marginalidade, cultura, identidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.